Encerrado ciclo de Audiências Concentradas para avaliar situação de menores acolhidos em instituições da Capital

WhatsApp Image 2018-11-30 at 13.44.25


Foi encerrado nesta sexta-feira, 30 de novembro de 2018, mais um ciclo de audiências concentradas nas instituições de Manaus que abrigam crianças e adolescentes em situação de risco. Entre outubro e novembro deste ano, Promotores de Justiça, Juízes, Defensores públicos e o corpo técnico dos Juizados da Infância e Juventude visitaram as nove instituições da capital.

Os profissionais fizeram levantamento da situação de 208 crianças e adolescentes inseridos em medida protetiva de acolhimento, analisando 100% dos casos existentes. É nesse momento em que se verifica a possibilidade da criança ser desligada ou continuar acolhida.


A Promotora de Justiça Stella Litaiff Isper Abrahim representou o Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM) na fase final do mutirão de audiências concentradas. “As audiências concentradas realizadas nos abrigos são extremamente importantes para a promoção do melhor interesse da criança e adolescente, na medida em que aproxima sobremaneira o Ministério Público das partes envolvidas, trazendo um olhar muito mais sensível para a situação de cada criança em vulnerabilidade que ali se encontra, bem como para sua inserção em família substituta ou sua reinserção à família natural. Destacando ainda que são nessas audiências que o promotor de justiça tem condição de conhecer mais a fundo a história de cada família e assim verificar se aquela família oferece condições adequadas para receber a criança ou o adolescente”, afirmou a Promotora.

 

WhatsApp Image 2018-11-30 at 13.44.24


Só no Lar Batista Janell Doyle, 17 crianças foram desacolhidas, um grupo de 4 irmãos foi indicado para adoção, as outras 13 regressaram para a família natural.
O próximo mutirão de audiências concentradas está previsto para ser realizado entre abril e maio do ano que vem.

 

 Audiências Concentradas


As audiências concentradas cumprem o que preceitua o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e têm o objetivo de reavaliar a situação dos menores de idade, no sentido de abreviar o tempo nas instituições, ou, quando não for possível, verificar como estão sendo dados os encaminhamentos necessários para o bom acolhimento deles.

Essa análise deve ocorrer no máximo a cada seis meses, sendo de responsabilidade das instituições de acolhimento, do Poder Judiciário e do Ministério Público o cumprimento do disposto nos artigos 19, §1º, e 92, §2º, ambos do Estatuto da Criança e do Adolescente.

A importância da reavaliação da situação de infantes e jovens acolhidos reside exatamente na possibilidade de reversão do quadro (com a restituição ao núcleo familiar de origem, desaparecendo a situação de risco) ou encaminhamento do caso sob outro prisma (com a colocação em lar substituto).


Últimas Notícias
Nota de Pesar

Notícias
A Procuradoria-Geral de Justiça informa, com pesar, o falecimento do Excelentíssimo senhor Aloísio Rodrigues de...
CSMP abre processos de inscrição para Promoção na Capital

Notícias
O Conselho Superior do Ministério Público do Estado do Amazonas (CSMP), fez publicar, nas edições dos dias 20 e 21...
“Gestão de informações e redes sociais” será tema de palestras previstas na Conferência de abertura do calendário das atividades do Ceaf 2019

Notícias
Como parte da programação da abertura do ano letivo do Ceaf (Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional do...
Esmam e Ceaf irão trabalhar juntos na realização de projetos educacionais

Notícias
Os dirigentes do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) e do Ministério Público Estadual (MP-AM) vão assinar um...