MPAM e DPE recomendam suspensão da divulgação do festival de parintins em novembro

BUMBÕDROMO 7c55a

O Ministério Público do Amazonas (MPAM) e a Defensoria Pública do Estado (DPE) assinaram Recomendação conjunta destinada às associações folclóricas dos bois-bumbás Caprichoso e Garantido para que suspendam o anúncio da realização do Festival Folclórico de Parintins nas datas de 06, 07 e 08 de novembro de 2020, assim como a venda de novos ingressos. Segundo o MPAM e a DPE, consideram a inexistência atual de estudos técnico-científicos que atestem a segurança do evento na ótica da população consumidora e da coletividade, de modo geral, no contexto da pandemia da COVID-19, daí serem inadequadas as propaganda da data e a retomada da venda de ingressos.

Na Recomendação conjunta, reforça-se que o estudo apresentado pelo ATLAS ODS AMAZONAS – UFAM estabelece que, em caso da realização do Festival Folclórico de Parintins no seu tradicional formato, “haveria um alto risco de se iniciar uma nova onda de contaminação, afetando não apenas a população residente”. A nota técnica foi apresentada no dia 20 de julho pelo Atlas Atlas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável no Amazonas que é um projeto da Universidade Federal do Amazonas (UFAM e está inserido no Programa de Pós-graduação em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (PPGCASA).

 As promotoras de Justiça e os defensores ressaltam, ainda, que a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, através do ofício nº. 052/2020-SEMCULT/SEMTUR, ao Ministério Público do Estado do Amazonas, informa que a Prefeitura de Parintins em momento algum confirmou a realização do evento Festival no ano de 2020. E que as próprias associações informaram aos dois órgãos que é apenas uma “data possível”, para a qual “estão apostando na amenização da pandemia até o evento, bem como pela informação de que ainda não teria sido apresentado qualquer estudo científico específico dando suporte à realização do evento na data aprazada”.

Nesse sentido, a Defensoria Pública e o Ministério Público compreendem que o correto fluxo de proteção à vida, à saúde e à segurança da coletividade consumidora e da população de modo geral deve ser restabelecido a partir das ações indicadas na Recomendação conjunta. Não havendo a adoção das providências indicadas pela DPE-AM e pelo MP-AM, poderá haver o ajuizamento de ação civil pública sobre a questão. Assinam o documento a defensora pública Gabriela Gonçalves, o defensor público Gustavo Cardoso e as promotoras de Justiça Eliana Guedes e Marina Campos, titulares das promotorias de Parintins.

Confira, em anexo, a Recomendação e a Nota Técnica, na íntegra.

Texto editado por Arnoldo Santos - ASCOM MPAM

Foto: Yuri Pinheiro/Prefeitura de Parintins

Últimas Notícias
MPAM busca, via Judiciário, transparência no portal do Município de Santa Isabel do Rio Negro

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) ajuizou Ação Civil Pública (ACP) requerendo ao Judiciário que determine o...
MPAM obtém na Justiça a indisponibilidade de bens do Prefeito de Iranduba

Notícias
Atendendo a pedido do Ministério Público do Amazonas, o Juízo da Comarca de Iranduba concedeu liminar, determinando...
Ação do MPAM em Guajará leva Prefeitura a apresentar plano de atendimento socioeducativo

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM), por intermédio do Promotor de Justiça Iranílson Ribeiro, por meio de uma...
Em Santa Isabel, MPAM apela ao Judiciário por atendimento a adolescentes em conflito com a lei penal

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) ajuizou Ação Civil Pública (ACP) pedindo ao Judiciário que obrigue o...