MPAM vai acompanhar politicas contra a destruição da floresta e da fauna em Maués

maués 58da2

A 1ª Promotoria de Justiça de Maués vai acompanhar os projetos e políticas públicas ambientais, assim como os seus resultados no combate à poluição, desmatamento e degradação ambiental no Município. A ação será empreendida no Procedimento Administrativo n. 003/2020, instaurado no dia 09/09, que também vai fiscalizar o cumprimento dos TACs (Termos de Ajustamento de Conduta) firmados em recentes Inquéritos Civis Ambientais. De acordo com o Promotor de Justiça Timóteo Ágabo Pacheco de Almeida, os inquéritos investigam condutas como degradação ambiental, destruição de floresta nativa mediante uso não autorizado de fogo, corte exploratório e não autorizado de árvores em unidades de conservação ambiental, dentre outros ilícitos ambientais e ameaças à fauna e à flora amazônicas.

"Apenas nos dois últimos meses, o Ministério Público do Amazonas (MPAM) em Maués instaurou 23 Inquéritos Civis ambientais com o objetivo de apurar, investigar e responsabilizar os infratores de danos ambientais apontados em recorrentes Autos de Infração lavrados pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), nas mediações do município de Maués", relatou o Promotor.

No procedimento, o MPAM questionou a Secretaria Municipal de Educação de Maués sobre a existência de projetos e diretrizes de educação ambiental na rede pública municipal de ensino. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente foi questionada pelo MPAM sobre a existência de projetos relacionados à proteção ambiental e prevenção social de danos ecológicos. As secretarias têm o prazo de 15 dias para responder ao MPAM.

"O Ministério Público busca dialogar com as secretarias municipais locais, a fim de que sejam executados, mesmo em parceria, projetos de educação ambiental na rede pública municipal de ensino e políticas públicas relacionadas à proteção ambiental e prevenção social de danos ecológicos na municipalidade de Maués", disse Timóteo Ágabo Pacheco de Almeida.

A partir das respostas das secretarias, será formalizada uma lista atualizada de projetos e políticas públicas municipais, que poderão receber beneficiamento legal por meio de valores pagos por infratores ambientais eventualmente obtidos em celebração de TACs.

Texto: Alessandro Malveira - ASCOM MPAM

Foto: divulgação

Últimas Notícias
MPAM busca, via Judiciário, transparência no portal do Município de Santa Isabel do Rio Negro

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) ajuizou Ação Civil Pública (ACP) requerendo ao Judiciário que determine o...
MPAM obtém na Justiça a indisponibilidade de bens do Prefeito de Iranduba

Notícias
Atendendo a pedido do Ministério Público do Amazonas, o Juízo da Comarca de Iranduba concedeu liminar, determinando...
Ação do MPAM em Guajará leva Prefeitura a apresentar plano de atendimento socioeducativo

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM), por intermédio do Promotor de Justiça Iranílson Ribeiro, por meio de uma...
Em Santa Isabel, MPAM apela ao Judiciário por atendimento a adolescentes em conflito com a lei penal

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) ajuizou Ação Civil Pública (ACP) pedindo ao Judiciário que obrigue o...