Tribunal do Júri vai julgar homicídio e lavagem de dinheiro, em Maués

O Juiz Paulo José Benevides dos Santos, da 2ª Vara de Maués, acolheu pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPAM) e remeteu a julgamento pelo Tribunal do Júri Popular um caso de homicídio triplamente qualificado, associação criminosa armada e lavagem de dinheiro.

Consta da denúncia ajuizada pelo MPAM que a ré Maria do Socorro Cavalcante Alencar mandou matar o seu vizinho, Raimundo Charles Gonzaga da Silva, porque este teria invadido cerca de 35 cm de seu terreno, o que configura motivo fútil do crime de homicídio.

Insatisfeita com a situação, ela encomendou a morte de seu vizinho a dois irmãos, os réus Alberte da Silva Serrafe e Kleberte da Silva Serrafe, pelo valor de R$ 4.000,00, atraindo a qualificadora do motivo torpe pela promessa de recompensa.

Para ocultar e dissimular a origem ilícita do dinheiro destinado ao pagamento do assassinato, os irmãos indicaram a conta-corrente de simara amazonas monteiro, esposa de um deles, para que a mandante Maria do Socorro Cavalcante Alencar efetuasse depósitos sem levantar suspeitas, consumando o delito de lavagem de dinheiro.

No dia 25 de setembro de 2017, os executores do homicídio foram à casa da vítima fingindo-se passar clientes interessados em construir uma laje, já que Raimundo Charles Gonzaga da Silva trabalhava como empreitero. Em dado momento, enquanto a vítima conversava com um dos irmãos, aproveitando-se de sua distração, o outro desferiu um golpe de arma branca no tórax, o que configurou a qualificadora da emboscada.

As rés Maria do Socorro Cavalcante Alencar e Simara Amazonas Monteiro também foram pronunciadas por homicídio triplamente qualificado, já que participaram ativamente dos crimes, além de todos eles também terem sido pronunciados pelo crime de associação criminosa armada.

A investigação foi presidida pelo Delegado de Polícia Rafael D'Agostini Smith, que se valeu de técnicas investigativas complexas, como interceptações telefônicas e quebras de sigilo bancário dos então investigados, o que reforçou o inquérito.

O Promotor de Justiça Flávio Mota Morais Silveira atuou na fase da denúncia, enquanto que o Promotor Timóteo Agabo Pacheco de Almeida atuou na instrução probatória e na fase das alegações finais do processo, sendo que o magistrado acolheu integralmente os pedidos constantes da denúncia.

Caso o Conselho de Sentença acolha a tese do Ministério Público, as penas podem chegar a mais de 30 anos de reclusão, bem como os réus serem condenados a pagar R$ 100.000,00 a título de reparação dos danos causados pela infração.

O réu Alberte da Silva Serrafe segue foragido, uma vez que fugiu da Unidade Prisional de Maués, enquanto que Kleberte da Silva Serrafe encontra-se preso preventivamente. A mandante do crime maria do socorro cavalcante alencar e a partícipe simara amazonas monteiro respondem ao processo em liberdade.

Últimas Notícias
MPAM expede recomendação para garantir matrícula de estudantes em Parintins

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM), por intermédio da 2ª Promotoria de Parintins, onde atua a Promotora de...
Procuradores-Gerais apoiam decisão do STF de suspender alterações do CPP pela lei Anticrime

Notícias
O Conselho Nacional de Procuradores-Gerais do Ministério Público dos Estados e da União (CNPG) emitiu Nota Pública...
MPAM discute com órgãos públicos e agremiações as ações do Carnaval

Notícias
O Ministério Público do Amazonas (MPAM) reuniu, na manhã desta quinta-feira (23), órgãos governamentais e...
MPAM reforça capacitação de novos Conselheiros em Uarini e Alvarães

Notícias
As promotorias de Justiça de Uarini e Alvarães realizaram os primeiros eventos de capacitação dos seus novos...